Ansiedade pode ter uma relação com a genética? Pergunte aos genes.

Hoje vivemos um cotidiano cada vez mais agitado e dinâmico. Isso implica em diferentes formas de responder a essa rotina cada vez mais relacionada ao estresse, ansiedade e outras questões que envolvem a saúde mental.
A Genética nos ajuda muito a entender alguns caminhos que podem contribuir para termos uma melhor relação com o estresse e viver com mais qualidade de vida.
No que se refere a resposta ao estresse, algumas variantes do gene COMT podem favorecer ou prejudicar a nossa relação com o estresse. Esse gene codifica para uma proteína responsável pela degradação das catecolaminas, como a dopamina e noradrenalina, afetando regiões que são responsáveis pela sinalização do estresse NO cérebro.

As pessoas que possuem genótipo de risco para este gene (COMT lenta), podem apresentar uma propensão genética que contribui para o desenvolvimento de quadros que envolvem estresse, como: ansiedade, pânico, irritação, diminuição da qualidade do sono, problemas cardíacos e até a metabolização de alguns nutrientes. Por outro lado, esse genótipo está associado a um melhor desempenho em atividades que envolvem concentração e memória. Essa informação é essencial para entender o impacto da resposta a diversos estímulos, inclusive alimentares.

Outro fato interessante, é que existe um genótipo também relacionado com uma vantagem emocional perante o estresse (COMT rápida), ou seja, a uma maior capacidade de lidar com esse tipo de estresse e sentir menos ansiedade. É importante salientar que esse genótipo está associado a uma tendência a menor desempenho a atividades que exigem concentração e memória.

Uma vez que conhecemos o genótipo, podemos intervir de forma personalizada para modular a atividade desse gene. Existem vários alimentos que podem ajudar a melhorar a saúde cognitiva e reduzir o estresse físico e mental. Alimentos ricos em complexo B (vegetais verdes escuros, frutas e chás), ômega 3 (oleaginosas, peixes e frutos do mar) e fontes de triptofano (banana, chocolate amargo, grão de bico e mel) costumam colaborar para a saúde cognitiva.

A gestão do estresse e o exercício físico também ajudam muito a melhorar a resposta do corpo ao estresse, então é importante realizar atividades físicas regularmente, dormir bem e fazer o que gostamos!

O gene COMT e muitos outros genes podem ser analisados através do DNYou Nutri. Neste exame, são analisados genes relacionados a áreas que envolvem o corpo, a alimentação e o comportamento do paciente.

 

Mestre em Bioquímica e Biologia Molecular (PPGBIOQ/UFRN)
Nutricionista (FACISA/UFRN)
Certification in Nutrigenomics: Genetic Testing for Personalized Nutrition – Dietitians of Canadá
Diretor científico – DNYou Genética e iProprium
Consultor em genômica nutricional – Instituto Assaly

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui