Efeito do consumo de carnes processadas na função pulmonar

O consumo de carnes processadas, como bacon, linguiça, salsicha, entre outros embutidos, está relacionado com risco aumentado de morte prematura por todas as causas, sendo ainda, fator de risco para o desenvolvimento de diversas doenças crônicas.

Segundo evidências reunidas pelo médico americano, Dr. Michael Greger, em um vídeo realizado para o canal NutritionFacts.org, no YouTube, o consumo frequente deste tipo de alimento ultraprocessado, está relacionado com o aumento do risco de desenvolvimento de enfisema pulmonar e doença pulmonar obstrutitva crônica (DPOC). Ainda, em um estudo citado pelo médico, o consumo de carnes processadas em dias alternados, pareceu triplicar o risco de DPOC severa. Em um estudo longo prospectivo, também citado pelo Dr. Michael Greger, esta mesma associação foi observada: quanto maior o consumo de carnes processadas, maior o risco de diagnóstico de DPOC.

Uma metanálise de estudos prospectivos, conduzida por Salari-Moghaddam et al. (2019), publicada na revista Clinical Nutrition, com uma amostra de 289.952 participantes, incluindo 8338 indivíduos com diagnóstico de DPOC, idade ≥ 27 anos, uma ingestão aumentada de embutidos se associou com um risco 40% maior de diagnóstico de DPOC. Neste estudo, a dose-resposta linear revelou que a cada aumento de cerca de 50g/semana da ingestão de carnes processadas, aumentava em 8% o risco para DPOC.

A literatura científica citada pelo Dr Michael Greger no vídeo, também destaca o possível papel dos produtos de glicação avançada gerados na produção das carnes processadas, assim como o excesso de sal, que irão exercer efeito pró-inflamatório, gerando inflamação pulmonar e sistêmica no geral. Porém, o foco principal é nos nitritos, já que estes podem ser os responsáveis pelo fato da fumaça do tabaco gerar doenças pulmonares como a enfisema, e os embutidos são uma das principais fontes alimentares de nitritos.

Os nitritos irão causar dano no tecido pulmonar, principalmente no colágeno e na elastina, que são responsáveis por manter os espaços aéreos dos pulmões abertos. Assim, segundo o Dr Michael Greger, além do consumo das carnes processadas estar relacionado com o aumento do risco de diagnóstico, ele também se associa com um maior risco de readmissão hospitalar, em pacientes com DPOC.

Ainda, em um estudo de coorte conduzido por Andrianasolo et al. (2019), publicado na revista European Journal of Nutrition e citado pelo Dr Michael Greger no vídeo, a ingestão de carnes processadas se associa com uma pior função pulmonar e risco aumentado para câncer de pulmão e DPOC. Ainda, este estudo, que avaliava o consumo de embutidos com asma, demonstrou que a ingestão aumentada destes alimentos se associou com mais sintomas desta doença.

Em um estudo citado pelo Dr Michael Greger, conduzido por Okubo et al. (2014), associou que o consumo de carnes processadas foi negativamente associado com medidas de função pulmonar, enquanto que o consumo de frutas e hortaliças, associou-se com melhor função.

Dr Michael Greger ainda aponta uma importante observação, que se relaciona com carnes processadas que se dizem isentas de adição de nitritos na forma de nitrito de sódio, porém o adicionam de uma forma alternativa, através de ingredientes que têm um alto teor de nitrito ou ainda, cepas de bactérias que têm a capacidade de converter nitratos em nitritos.

Assim, levando em consideração as informações levantadas pelo Dr Michael Greger, é importante ter uma visão crítica sobre o consumo de carnes processadas e a relação com a função pulmonar, principalmente quando estamos enfrentando uma pandemia de um vírus que infecta o sistema respiratório. Sendo assim, é importante oferecer as informações educativas necessárias para desencorajar o consumo frequente deste tipo de alimento.

Fontes:

NutritionFacts.org. Vídeo: The Effects of Processed Meat on Lung Function. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=j9OV-O5v-HA Acesso em 22 mar. 2021.

JIANG, R. et al. Cured Meat Consumption, Lung Function, and Chronic Obstructive Pulmonary Disease among United States Adults. Am J Respir Crit Care Med., 175(8): 798–804, 2007.

JIANG, R. et al. Consumption of cured meats and prospective risk of chronic obstructive pulmonary disease in women. The American Journal of Clinical Nutrition, 87(4): 1002-1008, 2008.

SALARI-MOGHADDAM, A. et al. Processed red meat intake and risk of COPD: A systematic review and dose-response meta-analysis of prospective cohort studies. Clin Nutr. 2019 Jun;38(3):1109-1116.

ANDRIANASOLO RM, et al Association between processed meat intake and asthma symptoms in the French NutriNet-Santé cohort. Eur J Nutr. 2020 Jun;59(4):1553-1562.

de BATLLE J, ET AL.; PAC-COPD STUDY GROUP. Cured meat consumption increases risk of readmission in COPD patients. Eur Respir J. 2012 Sep;40(3):555-60.

OKUBO H, ET AL.; HERTFORDSHIRE COHORT STUDY GROUP. Processed meat consumption and lung function: modification by antioxidants and smoking. Eur Respir J. 2014 Apr;43(4):972-82.

HWANG KE, et al. Effect of natural pre-converted nitrite sources on color development in raw and cooked pork sausage. Asian-Australas J Anim Sci. 2018 Aug;31(8):1358-1365.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui