Alternativas para o mercado de suplementos para nutrição esportiva além do whey protein

SONY DSC

Ingredientes inovadores chegam ao mercado de suplementos, prometendo ajuda para vencer os desafios e ampliar oportunidades.

Cada vez mais pessoas buscam um estilo de vida mais saudável e isso inclui alimentação e alternativas nutricionais como os suplementos alimentares. Especialmente diante do cenário de pandemia, as pessoas se sentiram mais motivadas a buscar na alimentação, um recurso para fortalecer sua saúde geral, especialmente a imunidade.

Diante desta demanda, a indústria de ingredientes nutricionais, precisou encontrar alternativas inovadoras para promover soluções aos produtos suplementares para todos os públicos, desde atletas profissionais, até praticantes esporádicos de atividades físicas, alternativas essas que deveriam ir além do whey protein. A fim de cobrir a diversidade de públicos que se exercitam e buscam apoio no mercado de suplementos para melhorar sua performance.

Conforme pesquisa da Zion Market Research, o mercado de suplementos alimentares tem uma previsão de render US$45,27 bilhões em 2022, o que acelera a necessidade que as indústrias atuantes nele, forneçam suplementos alimentares inovadores, que sejam capazes de atender a uma demanda ampla de preferências dos consumidores.

Gabriela Fernandes, nutricionista e especialista em marketing de alimentos, aponta que “Não existe um consumidor típico de nutrição ativa e esportiva; de atletas profissionais a indivíduos preocupados com a saúde, os suplementos são usados por pessoas de todas as idades em aplicações que vão desde a queima de gordura e recuperação até suporte imunológico”.

Diante dessa percepção, existe uma oportunidade de mercado aos fabricantes de suplementos, que precisam considerar novas soluções em ingredientes conforme o público-alvo de seus produtos de suplementação alimentar, continua evoluindo e crescendo.

Os millenials e a busca por suplementos alimentares


Entre as principais características da geração de millenials (pessoas nascidas entre 1980 e 1994), está a preocupação com a saúde, uma demanda crescente deste público. Essa geração busca se manter ativa e está empenhada em otimizar seu bem-estar, o que significa uma busca constante por um estilo de vida que envolve alimentação saudável e a prática regular de atividades físicas.

“No mercado de suplementos de nutrição esportiva, esse é um grupo de consumidores que aprecia produtos feitos com ingredientes eficazes e de ação comprovada. Eles também estão dispostos a aprender sobre novos ingredientes e a experimentá-los se acreditarem que oferecem algo que os beneficiará”, comenta Gabriela.

Tendências, inovações e alternativas da indústria para o mercado de suplementos
Independente do público, desde os adultos mais jovens, cujo objetivo é a definição muscular, até os idosos, que buscam o fortalecimento e resistência dos músculos, fato é que todos olham para o mercado de suplementos em busca de formas de obter seus resultados de forma mais efetiva, antes, durante e após os exercícios.

Além do whey protein, ingredientes como L-carnitina, que tornou-se um ativo estabelecido no mercado da nutrição esportiva graças aos seus potenciais benefícios em recuperação e geração energética, e redução da degradação muscular. O colágeno não desnaturado tipo II, também ganha espaço no mercado de suplementos como ingrediente auxiliar na recuperação, ajudando no alívio do desgaste das articulações, enquanto contribui para a mobilidade e flexibilidade. Bem como a beta-alanina, recentemente aprovada pela Anvisa e que surge como alternativa associada ao desempenho melhorado nas atividades físicas esportivas.

“Temos também a coenzima Q10, relacionada a efeitos antioxidantes e benéficos em termos de otimização da saúde e do bem-estar. As proteínas da ervilha e do arroz também estão se tornando mais populares na indústria de nutrição esportiva. Podemos citar também os adaptógenos, que podem ser utilizados em uma configuração de desempenho para lidar com o estresse do esforço físico e fadiga. Relacionados à manutenção do desempenho estão extratos de ginseng asiático, cinórrodo e maca”, complementa a nutricionista.

A especialista afirma, também, que “muitos atletas costumam recorrer à cafeína antes do treino para dar um impulso extra na performance. Muitos formuladores têm utilizado ingredientes botânicos, que são fontes naturais de cafeína. Isso pode incluir guaraná, erva-mate, guayusa, noz-de-cola e chá verde”. E indo ao encontro deste cenário, surge uma tendência emergente no mercado de suplementos que é a necessidade de utilizar ingredientes orgânicos e processos sustentáveis.

Essa característica é marcada por dois aspectos fundamentais, a busca pelo consumo de ingredientes mais saudáveis e a preocupação crescente dos consumidores com o meio ambiente. A demanda por produtos orgânicos passa por uma alta e aponta para uma grande oportunidade de mercado, sobretudo no âmbito dos suplementos alimentares plant based, cujos conceitos “natural” e “sustentável” se tornam cada vez mais parte da procura do consumidor.

As plantas comestíveis aparecem como fonte primária de substâncias importantes e que tem a capacidade de manter o bem-estar geral do corpo e, consequentemente, enriquecer a nutrição esportiva. Um dos produtos botânicos com potencial de uso no mercado de suplementos é o açafrão, que possui três diferentes moléculas – curcumina, demetoxicurcumina (DMC) e bisdemetoxicurcumina – cada uma com suas características químicas que, atuando juntas, propiciam uma gama de potenciais efeitos benéficos à saúde e desempenho esportivo. O ingrediente apresenta eficácia para a saúde das articulações e também no apoio à resposta inflamatória saudável após exercícios físicos.

O mercado de suplementos e seus desafios


Em contínuo crescimento a fim de atender a um público cada vez mais diverso, o mercado de suplementos busca se adequar tanto em relação à seleção de ingredientes, quanto às formas de dosagem, que se tornam uma questão importante aos fabricantes. Por sua vez, os consumidores se preocupam cada vez mais com a saúde e impulsionam a demanda por ingredientes comprovados cientificamente, o que encoraja as marcas a investirem ainda mais em pesquisa e desenvolvimento.

Além das alegações positivas para a saúde e desempenho, outro desafio é a busca pelo desenvolvimento de produtos com sabor e textura agradáveis. “Para muitas pessoas, por exemplo, as proteínas vegetais são comumente associadas com ‘notas estranhas’ de sabor. A indústria tem buscado formas cada vez mais sofisticadas de mascarar esse sabor indesejado. Há o desafio da palatabilidade aprimorada para ser vencido nessas formulações. Os consumidores exigem e continuarão a exigir produtos de nutrição esportiva que tenham um sabor agradável e proporcionem benefícios e, em um mercado cada vez mais competitivo, as empresas precisam fornecer proteínas que melhorem e não prejudiquem o sabor”, explica Maiara de Pontes, especialista em nutrição esportiva funcional.

Para superar esses desafios inerentes ao mercado, uma das principais evoluções em pesquisa e desenvolvimento, surge a partir da busca por ingredientes. Atualmente, o trabalho focado em avanços tecnológicos como a micro e a nanoencapsulação, são medidas que solucionam problemas de estabilidade, solubilidade ou melhoram a biodisponibilidade de diversos compostos bioativos.

A especialista lembra, ainda, do desafio da combinação de ingredientes, pois reunir diversos ativos incompatíveis em uma cápsula, pode gerar desafios de formulação, inclusive a degradação de ingredientes sensíveis. “O mercado de suplementos têm buscado maneiras de resolver esse problema, permitindo, por exemplo, que ativos líquidos e sólidos com diferentes perfis de liberação sejam combinados em uma forma de dosagem – como vitamina K2, vitamina D e cálcio, que podem ser usadas em um suplemento para ajudar na saúde óssea do atleta, por exemplo”, finaliza Maiara.

Fonte: Food Connection

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui