O suco de uva roxa integral aumenta a produção de óxido nítrico em atletas de handebol de praia de alto nível após o treino (2020)

Autores: Manoel Miranda Neto, Lydiane L.T. Toscano, Renata L. Tavares, Luciana T. Toscano, Orranete P. Padilhas, Cássia S.O. Da Silva, Gilberto S. Cerqueira, Alexandre S. Silva 

Revista: Anais da Academia Brasileira de Ciências, 2020 

Introdução 

O handebol de praia é um esporte caracterizado por ser de alta intensidade e com um grande número de repetições, além do fato de ser na areia da praia e com 2 períodos de 10 minutos cada, sendo muito extenuante. Durante um jogo, os atletas atingem alta frequência cardíaca e produção de lactato sanguíneo durante o jogo (próximo ao limiar anaeróbio). 

Nesse sentido, alimentos antioxidantes e anti-inflamatórios e suplementos nutricionais têm sido incluídos na dieta de atletas com o objetivo de minimizar a inflamação e o estresse oxidativo induzidos por exercícios extenuantes. Uvas roxas e seus derivados são uma classe de alimentos com potencial antioxidante e anti-inflamatório particular devido à rica composição em compostos fenólicos, como proantocianidinas, catequinas e resveratrol e tem a capacidade de aumentar a capacidade antioxidante total, assim como os níveis plasmáticos de superóxido dismutase e catalase. Além disso, estudos têm demonstrado que a uva também atua no sistema antioxidante, aumentando a produção de óxido nítrico, o que aumenta a biodisponibilidade desse gás e facilita a ação antioxidante por meio do peróxido de nitrito. 

Este estudo foi realizado para avaliar o efeito da ingestão de suco de uva roxa na recuperação do estresse oxidativo, inflamação e lesão muscular, algumas horas após um intenso e sessão de treinamento de longo prazo em atletas de alto nível da seleção brasileira masculina de handebol de praia. 

Materiais e métodos 

Este foi um ensaio randomizado e controlado. Todos os quinze atletas do sexo masculino da seleção brasileira de handebol de praia participaram deste estudo. Eles foram distribuídos aleatoriamente em grupo suplementado com suco de uva roxa integral ou grupo controle, que ingeriu água. O grupo de intervenção recebeu 400 ml de suco de uva roxa integral dividido em 2 porções de 200 ml, sendo 1 antes do treino e a outra, depois. 

Resultados 

Os 2 grupos eram semelhantes em idade, massa corporal, gordura corporal, massa muscular e IMC. O estado fisiológico antes do primeiro dia de treinamento foi semelhante em ambos os grupos para todos os marcadores sanguíneos analisados. Os grupos não apresentaram diferenças no consumo diário de energia e macronutrientes, porém foi observado maior consumo de selênio pelo grupo suco de uva. Ambos os grupos apresentaram ingestão insuficiente de vitamina A, cobre, magnésio e excesso de zinco. Outros micronutrientes estavam normais. 

O treino não promoveu alteração na lesão muscular, uma vez que os valores de creatina quinase (CK) e lactato desidrogenase (LDH) não se alteraram no tempo ou tempo x interação do grupo. Da mesma forma, não houve repercussões sistêmicas uma vez que a proteína C-reativa ultrassensível (PCR) não indicou aumento da inflamação sistêmica e o malondialdeído (MDA) não indicou aumento da peroxidação lipídica na interação do tempo, também não havendo diferenças entre os grupos. 

 Por outro lado, o suco de uva promoveu alteração na síntese de óxido nítrico, uma vez que o grupo suco de uva demonstrou um aumento relevante de quase quatro vezes na produção de nitrito na concentração sérica de nitrito após o período de 3 horas de recuperação, que foi significativamente superior aos valores pré e pós-treino (tempo de interação), bem como em relação aos mesmos momentos do grupo controle (tempo x interação grupo). 

Discussão 

O consumo de suco de uva não promoveu alterações na CK, LDH, MDA e PCR Por outro lado, foi capaz de promover expressivo aumento pós-exercício na concentração plasmática de nitrito. A sessão de treinamento não promoveu desgaste adicional em relação aos momentos pré-treinamento, em relação a danos musculares, inflamação sistêmica e estresse oxidativo. Por outro lado, o suco de uva promoveu aumento da produção de óxido nítrico, indicado pelo aumento da atividade endotelial e esse aumento da biodisponibilidade do óxido nítrico atua como antioxidante. 

 O aumento da biodisponibilidade do óxido nítrico pode ter repercussões benéficas para os atletas, podendo fornecer efeitos ergogênicos, melhorando a tolerância ao exercício de resistência em exercícios de endurance, melhorando a produção de força muscular por meio de um mecanismo que envolve uma velocidade de encurtamento muscular mais rápida em exercícios de alta intensidade. 

Outro possível benefício do óxido nítrico é sua função antioxidante, pois o aumento na síntese e biodisponibilidade do óxido nítrico é capaz de modular o estresse oxidativo e a diminuição da fluidez da membrana causada pelo exercício agudo extenuante. 

Finalmente, um terceiro possível benefício do óxido nítrico é sua ação vasodilatadora. O suco de uva roxa também tem demonstrado, na literatura científica, aumentar a produção de óxido nítrico, sendo esse gás um potente vasodilatador produzido por tecidos humanos, como o endotélio. 

Conclusão 

Os dados deste estudo mostraram que a suplementação com 400 ml de suco de uva roxa integral, ingerido imediatamente antes (200 ml) e após (200 ml) uma sessão de treinamento, é capaz de promover o aumento da produção de óxido nítrico, devido ao aumento dos níveis plasmáticos de nitrito, ao final do período de recuperação. 

Esse aumento do óxido nítrico pode melhorar o desempenho do atleta, promovendo ação antioxidante, o que também é benéfico para essa população, embora esses efeitos ergogênicos não tenham sido verificados no presente estudo. 

 Acesso o estudo na íntegra. 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here