59Neste mês, a Sociedade Brasileira de Dermatologia incentiva o #DezembroLaranja, campanha de prevenção contra o câncer de pele. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), em 2020 os números de câncer de pele no Brasil foram preocupantes. A doença corresponde a 27% de todos os tumores malignos no país, sendo os carcinomas responsáveis por 177 mil novos casos da doença por ano. Já o câncer de pele melanoma atinge 8,4 mil de casos novos anualmente.

A campanha deste ano destaca que os hábitos de exposição solar desde a infância podem influenciar tanto no envelhecimento quanto no desenvolvimento do câncer de pele. É preciso prestar atenção nas pintas, manchas, sinais que se modificam ou feridas que não cicatrizam pois podem se relacionar com o câncer de pele.

A American Academy of Dermatology recomenda o uso de filtros solares resistentes à água, com fator de proteção solar de 30 ou mais. Os pacientes também devem ser informados sobre os potenciais da dieta e da suplementação dietética na prevenção do câncer de pele.

Estratégias nutricionais

Pesquisas recentes sugerem que os nutracêuticos, fitoquímicos e bioativos isolados dos alimentos podem contribuir com a prevenção e proteção contra o câncer. Confira abaixo alguns destaques que a ciência pontua em relação a esses benefícios:

Cúrcuma: o potencial anticancerígeno deriva de sua capacidade de interagir diretamente e suprimir uma ampla variedade de moléculas de sinalização pró-carcinogênicas e fatores de transcrição, como NF-kB. A cúrcuma e a curcumina produzem notável alívio sintomático em pacientes com lesões cancerígenas externas.

Gengibre: a atividade antioxidante do extrato de gengibre, como um suplemento diário, aumentou os níveis sanguíneos das enzimas antioxidantes e diminuiu os níveis sanguíneos de estresse oxidativo em pacientes com câncer recém-diagnosticados recebendo quimioterapia adjuvante;

Cravo: o potencial quimiopreventivo do cravo-da-índia ocorre através da regulação positiva da expressão das proteínas pró-apoptóticas e da regulação negativa da proteína anti-apoptótica

Alecrim: fonte rica em polifenóis, antioxidantes naturais poderosos, parece ser capaz de reduzir de forma eficiente a proliferação da linha celular de melanoma humano A375 por meio de efeitos citotóxicos e citostáticos.

Açafrão: com mais de 150 compostos bioativos, suas propriedades anticancerígenas derivam da capacidade de suprimir a ativação de citocinas inflamatórias e fatores de transcrição pró-oncogênicos.

Chá verde: epigalocatequina-3-Galato (EGCG), principal composto polifenol, é antioxidante, anti-inflamatório e antiproliferativo, podendo diminuir a carga do tumor de pele e reduzir a hiperplasia e o edema epidérmico

Carotenóides: particularmente β-caroteno, licopeno, luteína e astaxantina, têm efeitos fotoprotetores e efeitos antioxidantes, regulando a expressão gênica induzida por luz ultravioleta, modulação de sinalização dependente de estresse e / ou supressão de respostas celulares e de tecidos como inflamação. Pode ajudar na diminuição da sensibilidade ao eritema induzido por UV e melhoria do envelhecimento da pele.

Vitamina D: dado o risco aumentado de câncer de pele associado à exposição excessiva aos raios ultravioleta, as principais organizações de saúde atualmente recomendam obter a maior parte da vitamina D por meio de fontes dietéticas e suplementos dietéticos

Resveratrol: encontrado em mirtilos, amendoim e uva, exibe forte atividade anticâncer, reduz significativamente os níveis de radicais livres em fibroblastos de pele humana

Genisteína: composto de isoflavona obtido da soja, apresenta efeitos quimiopreventivos em vários tipos de câncer, incluindo câncer de pele não melanoma e melanoma

Referências 

BALIć; MOKOS. Do We Utilize Our Knowledge of the Skin Protective Effects of Carotenoids Enough? Antioxidants, Zagreb, v. 8, n. 8, p. 1-19, 31 jul. 2019. MDPI AG. http://dx.doi.org/10.3390/antiox8080259. Disponível em: https://www.mdpi.com/2076-3921/8/8/259/htm. Acesso em: 09 dez. 2020

HOLMAN, Dawn M et al. The association between beliefs about vitamin D and skin cancer risk-related behaviors. Preventive Medicine, Atlanta, v. 99, p. 326-331, jun. 2017. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.ypmed.2017.03.007. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5896002/#!po=68.7500. Acesso em: 09 dez. 2020.

ISLAM, Salman Ul et al. An Update on the Role of Dietary Phytochemicals in Human Skin Cancer: new insights into molecular mechanisms. Antioxidants, Daegu, v. 9, n. 10, p. 1-30, 25 set. 2020. MDPI AG. http://dx.doi.org/10.3390/antiox9100916. Disponível em: https://www.mdpi.com/2076-3921/9/10/916. Acesso em: 09 dez. 2020.

KATIYAR, Santosh K.; PAL, Harish C.; PRASAD, Ram. Dietary proanthocyanidins prevent ultraviolet radiation-induced non-melanoma skin cancer through enhanced repair of damaged DNA-dependent activation of immune sensitivity. Seminars In Cancer Biology, Birmingham, v. 46, p. 138-145, out. 2017. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.semcancer.2017.04.003. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28412456/. Acesso em: 09 dez. 2020.

SREEDHAR, Annapoorna; LI, Jun; ZHAO, Yunfeng. Next-Gen Therapeutics for Skin Cancer: nutraceuticals. Nutrition And Cancer, Shreveport, v. 70, n. 5, p. 697-709, 15 maio 2018. Informa UK Limited. http://dx.doi.org/10.1080/01635581.2018.1470651. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6093621/. Acesso em: 09 dez. 2020.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui