O distúrbio endócrino mais comum em mulheres idade reprodutiva, a Síndrome do Ovário Policístico (SOP) afeta cerca de 6 a 10% dessas mulheres, afetando a sua qualidade de vida e bem-estar. É uma doença complexa em que fatores genéticos, endócrinos, ambientais e comportamentais entrelaçam-se, originando diferentes fenótipos desta condição.

Principais sinais e sintomas

Os sinais e sintomas relacionados ao seu diagnóstico podem variar entre as mulheres e são hiperandrogenismo {hirsutismo, alopecia, acne e seborreia}, oligovulação ou anovulação {disfunção da menstruação, subfertilidade e hiperplasia endometrial} e a presença de cistos nos ovários. Além disso, há normalmente a presença de resistência à insulina, dislipidemia e podem aparecer outras alterações metabólicas.

Estilo de vida: pode impactar?

Morreale-Escobar (2018) apontam que a restrição de crescimento intrauterino, a hipertensão, o padrão alimentar inadequado (excesso de gorduras saturadas e carboidratos refinados), o consumo excessivo de álcool, o excesso de peso, o sedentarismo, o tabagismo e outros fatores ambientais podem estar relacionados com o desencadeamento da SOP. Além disso, a exposição ao bisfenol A também poderia estar relacionada.

O que ela pode desencadear?

A SOP pode ter diferentes desfechos, que mudam de acordo com as diferentes fases da vida das mulheres. Aquelas que estão na idade fértil podem ter maior risco para complicações da fertilidade, obesidade, dislipidemia, diabetes tipo 2, síndrome metabólica e alterações psicológicas, principalmente devido ao impacto na autoestima que alguns sinais podem proporcionar, como a acne e o hirsutismo. Mulheres na menopausa com SOP normalmente tem maior prevalência de síndrome metabólica e doenças cardiovasculares.

Estratégias nutricionais na SOP

A nutrição é uma aliada importante e efetiva para contribuir para o tratamento da SOP. Assim, separamos algumas estratégias atualizadas para você incluir na sua conduta clínica e tornar sua conduta nutricional eficaz:

Priorizar uma alimentação com baixo índice e baixa carga glicêmicos: um padrão alimentar com baixo índice glicêmico é capaz de contribuir com a redução do HOMA-IR, insulina de jejum, colesterol total, LDL-c, triglicerídeos, circunferência de cintura e testosterona total em mulheres com SOP, quando comparado a um padrão alimentar com alto índice glicêmico, melhorando, assim, a ciclicidade ovulatória, a infertilidade e o risco de doença cardiovascular nessa população (KAZEMI et al., 2020).

Incluir canela na conduta clínica: a suplementação de canela está associada com a melhora do metabolismo glicêmico. Borzoei, Rafrat e Asghari-Jafarabadi (2018) concluíram que a suplementação de 500mg de canela, 3 vezes ao dia, por 8 semanas, em mulheres com SOP, quando comparado ao grupo placebo, controbui para a redução da glicemia de jejum, da insulina de jejum, do HOMA-IR, do peso corporal total, do colesterol total e do LDL-c, e, ainda, promoveu aumento do HDL-c.

Prescrição de inositol: o mioinositol e o d-chiro-inositol estão relacionados, respectivamente, ao mensageiro secundário do FSH e ao inibidor da aromatase, por isso, contribuem para o tratamento da SOP. Le Donne et al. (2019) concluíram que a associação de ambos com o ajuste dietético parece acelerar a perda de peso e a redução da gordura corporal, além de promover leve aumento do percentual de massa magra e contribuir para a restauração da regularidade do ciclo menstrual.

Avaliar a vitamina D: Miao et al. (2020), em uma metanálise, concluíram que a suplementação de vitamina D contribui para a redução da resistência à insulina e do hiperandrogenismo, além de melhorar o metabolismo lipídico de pacientes com SOP.

Ajuste de ômega-3: a suplementação com cerca de 2g ao dia de ômega-3 auxilia na redução do colesterol total, do LDL-c, dos triglicerídeos, da circunferência de cintura, da testosterona e aumento do HDL-c, além de reduzir a inflamação e aumentar os níveis de adiponectina (TOSATTI et al., 2020; KHANI; MARDANIAN; FESHARAKI, 2017; RAHMANI, et al., 2017).

Portanto uma nutrição personalizada é essencial para promover a qualidade de vida e os diversos parâmetros da saúde das mulheres com SOP.

Fonte: E4 Nutrition

REFERÊNCIAS

LOUWERS, Y. V.; LAVEN, J. S. E. Characteristics of polycystic ovary syndrome throughout life. Therapies Advances in Reproductive Health, v. 14. 2020. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32518918/> Acesso em: 08 set. de 2020.

MORREALE-ESCOBAR, H. F. Polycystic ovary syndrome: definition, aetiology, diagnosis and treatment. Nature Reviews Endocrinology, v. 14, n. 5, p. 270-284, 2018. Disponível em:< https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29569621/> Acesso em: 08 set. de 2020.

WANG, Y. et al. Local effect of bisphenol A on the estradiol synthesis of ovarian granulosa cells from PCOS. Gynecological Endocrinology, v. 33, n. 1, p. 21-25, 2017. Disponível em:< https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27187585/> Acesso em: 08 set. de 2020.

KAZEMI, M. et al. Effects of Dietary Glycemic Index and Glycemic Load on Cardiometabolic and Reproductive Profiles in Women with Polycystic Ovary Syndrome: A Systematic Review and Meta-analysis of Randomized Controlled Trials. Advances in Nutrition, 2020. Disponível em:< https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32805007/> Acesso em: 08 set. de 2020.

TOSATTI, et al. Influence of omega-3 fatty acid supplementation on inflammatory and oxidative stress markers in patients with Polycystic Ovary Syndrome: A systematic review and meta-analysis. The British Journal of Nutrition, p. 1-31, 2020. Disponível em:< https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32799935/ > Acesso em: 08 set. de 2020.

FACCHINETTI, F. et al. Inositols in Polycystic Ovary Syndrome: An Overview on the Advances. Trends in Endocrinology and Metabolism, v. 31, n.6, p.435-447. Disponível em:< https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32396844/> Acesso em: 08 set. de 2020.

LE DONNE, M. et al. Effects of three treatment modalities (diet, myoinositol or myoinositol associated with D-chiro-inositol) on clinical and body composition outcomes in women with polycystic ovary syndrome. European Review for Medical and Pharmacological Sciences, v.23, n.5, p.2293-2301, 2019. Disponível em:< https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30915778/ > Acesso em: 08 set. de 2020.

KHANI, B.; MARDANIAN, F.; FESHARAKI, S.J. Omega-3 supplementation effects on polycystic ovary syndrome symptoms and metabolic syndrome. Journal of Research in Medical Sciences, v. 22, p. 64, 2017.  Disponível em:< https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5461594/> Acesso em: 08 set. de 2020.

MIAO, C-Y. et al. Effect of vitamin D supplementation on polycystic ovary syndrome: A meta-analysis. Experimental and Therapeutic Medicine, v. 19, n. 4, p. 2641-2649, 2020. Disponível em:<https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7086222/#!po=3.12500> Acesso em: 08 set. de 2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui