Enquanto a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) faz publicação esclarecendo principais dúvidas sobre novas regras de rotulagem, a Associação Brasileira de Nutrição (Asbran) reconhece conquista, mas reflete que ela poderia ser muito melhor.

No dia 9 de outubro, foram publicadas no Diário Oficial da União (D.O.U.), a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 429/2020 e a Instrução Normativa (IN) 75/2020, que tratam da nova norma sobre rotulagem nutricional de alimentos embalados. Para esclarecer algumas dúvidas comuns, a Anvisa elaborou um guia para responder às principais perguntas que surgiram sobre o tema.

Entre as respostas, estão as justificativas sobre os objetivos da nova norma e também as principais mudanças. Além disso, a agência exemplifica, com imagens, como deverão ser os selos que sinalizam, na parte frontal dos alimentos, altos teores de açúcar adicionado, gordura saturada e sódio.

Veja aqui a publicação completa com todas as perguntas e respostas da agência.

Asbran questiona: boa notícia poderia ser ainda melhor

A Associação Brasileira de Nutrição (Asbran) questionou, justamente a forma de sinalização que foi aprovada na nova norma de rotulagem, pois, ao contrário do que diversas entidades de nutrição defendiam ao longo da tramitação da proposta, o símbolo em forma de lupa foi aprovado para ser inserido nas embalagens.

Para a associação, não há dúvidas de que a sinalização é um grande avanço na nutrição, mas considera que o símbolo eleito não foi o melhor entre as opções que estavam em debate. Junto com outras entidades relacionadas à alimentação e nutrição, a Asbran sempre se posicionou em defesa de uma sinalização em formato de triângulos, que, com base em conceitos técnicos, possui uma melhor aplicabilidade.

“Avançamos muito sim positivamente, mas é preciso que a sociedade saiba que poderíamos ter um resultado melhor do que o que foi escolhido. O alerta mais visível nas embalagens, com informações claras e precisas, era o mais adequado. Além disso, é bom lembrar que as evidências científicas mostraram que o modelo de advertência em formato de triângulo se mostrou mais eficiente para o entendimento do grande público”, disse a presidente da ASBRAN, Ruth Guilherme.

A entidade defende que o modelo de triângulos foi proposto pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor – IDEC em parceria com especialistas em design da informação da UFPR (Universidade Federal do Paraná) e recebeu apoio de diversas entidades da nutrição, uma vez que pesquisas comprovaram que o formato triangular é a forma mais eficaz de informar o consumidor e alertá-lo sobre informações importantes na hora da compra.

Fonte: Anvisa / Asbran

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui