Valores dos alimentos sobem e preocupam em relação à segurança alimentar e nutricional da população, um sinal da maior inflação dos últimos anos.

No início de setembro, os preços dos alimentos causaram a aceleração da prévia da inflação oficial brasileira, que atingiu seu maior nível em oito anos. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) acelerou a alta a 0,45%, ultrapassando a expectativa de avanço de 0,39% e se tornando, até então, o resultado mais alto já alcançado para o mês de setembro desde 2012, quando atingiu 0,48%.

Uma pesquisa realizada pela IPCA-15 identificou uma alta de 3,43% no valor das carnes e o aumento de outros alimentos, como tomate, óleo de soja, arroz e leite de vaca. Além disso, os dados apontam que, em setembro, o preço dos alimentos sofreu grande impacto e teve a maior alta entre os grupos pesquisados, de 1,48% sobre 0,34% de agosto.

O aumento exacerbado dos preços de alimentos chama a atenção e gera preocupações quanto à segurança alimentar e nutricional da população, especialmente pela alta acentuada dos índices de inflação nos preços do atacado. Um bom exemplo disso é o aumento repentino do preço do arroz nos supermercados, o que ocorreu devido ao aumento de exportações do produto.

Alta inflação reduz o consumo de outros produtos

Sendo considerados produtos de primeira necessidade e dados os altos valores dos alimentos, a alta na inflação derrubou o consumo de outros produtos, por exemplo, daqueles que fazem parte do grupo Saúde e Cuidados Pessoais, que passou por queda de 0,69%.

O Banco Central se pronunciou sobre a alta da inflação e disse que contribuem para esse movimento o aumento temporário nos preços e a normalização parcial destes em alguns serviços. Na semana passada, o Banco Central registrou a taxa básica de juros (SELIC) a 2%. A expectativa, conforme a pesquisa Focus realizada pelo Banco Central é de que a inflação feche 2020 em 1,99%, representando uma contração de 5,05% na economia do país.

Fonte: New Trade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui