A estimativa é de que o mercado de alimentos veganos conquiste, até 2027, o patamar de US$74,2 bilhões.

Entre os diversos fatores que podem gerar esse impulsionamento dos alimentos à base de plantas, alguns motivos crescentes são considerados como principais, como: o aumento da intolerância da população à proteína animal; a urbanização crescente, acompanhada de novos anseios de consumo; o aumento do número de veganos, vegetarianos e flexitarianos; e os investimentos de risco significativos em produtores de alimentos plant-based.

Há, ainda, um foco crescente em pesquisa, desenvolvimento de lançamentos de novos produtos, além da demanda crescente por eles, vindos de economias emergentes, como Ásia-Pacífico, América Latina, Oriente Médio e África, que devem gerar oportunidades importantes de lucro e expansão deste mercado.

A nutrição como base de tudo

Entre as principais motivações para o aumento do consumo de alimentos veganos, a nutrição aparece como pano de fundo, pois as razões se devem, principalmente aos benefícios dos alimentos vegetais para a saúde. O novo relatório da plataforma de insights do consumidor, impulsionada pela inteligência artificial, Tastewise, “Alimentação baseada em plantas: uma visão panorâmica do mercado de US$ 42 bilhões”, a saúde se apresenta como o principal elemento motivador para o aumento das vendas de alimentos veganos.

A empresa avaliou, ainda, uma ênfase crescente na busca por alimentos saudáveis e funcionais que visam, sobretudo, à perda de peso, com um aumento de 21% no último ano. Além de questões relacionadas ao peso, o estudo destaca o aumento do interesse na saúde intestinal e na melhoria geral da energia tendo a alimentação como fonte.

O consumo de alimentos veganos se encontra intimamente relacionado à uma tendência nutricional da alimentação saudável, pois se traduz em diversos benefícios físicos. De maneira curiosa, houve o aumento do consumo de alimentos à base de plantas, também para contribuir na fertilidade, com 43% a mais do que no ano anterior.

A pesquisa ressalta que o consumo de alimentos veganos, ainda se relaciona pouco com a conscientização sobre os direitos dos animais, pois essa motivação é mencionada em apenas 10% das discussões. A mesma premissa se reflete na decisão baseada em questões de sustentabilidade.

Alimentação vegana para a saúde

Que o consumo de carne está relacionado a diversas questões de saúde, não é novidade. A Organização Mundial da Saúde (OMS) já apontou que as carnes processadas são produtos altamente cancerígenos, assim como o consumo de carne vermelha pode ser considerado potencialmente cancerígeno.

A American Heart Association, em contrapartida, publicou um estudo onde aponta que o consumo de dietas à base de plantas é atrelado à redução do risco de doenças cardiovasculares e da mortalidade, em geral. De maneira similar, um estudo da Harvard Medical School, apontou que deixar o consumo de carne, pode prevenir cerca de um terço das mortes prematuras.

Em 2019, um estudo americano, apontou que 80% dos consumidores pretendem trocar o consumo de carne por alternativas vegetais. Enquanto 48% dos americanos comprar, regularmente, leites vegetais, conforme a pesquisa IPSOS de 2018. No Brasil, ainda que os números atuais sejam imprecisos, o volume de interesse por alimentação vegana também apresenta aumento considerável.

Mercado de alimentos veganos impulsionado

A pandemia de COVID-19, certamente tem sua participação no impulso pela busca de alimentos veganos, pois, além de afetar seriamente a produção e comércio de carne em todo o mundo, trouxe à luz os problemas causadas pela indústria da carne, que inclui o risco do desenvolvimento de novas doenças zoonóticas com potencial pandêmico.

Estima-se que a pandemia gerou um decréscimo global no consumo de carne, algo em torno de 3%, o que representa aproximadamente 9,5 bilhões de toneladas. Por outro lado, nunca houve um crescimento tão grande no consumo de leites vegetais e, de maneira similar, as vendas de carnes vegetais quase triplicaram durante o primeiro semestre de 2020, e as entregas de alimentos veganos também bateram recorde.

 

As tendências do mercado

Considerando os resultados da pesquisa da Tastewise, o mercado requer alternativas que atendam às demandas de um público que deseja e procura por produtos saudáveis. Neste sentido, existem diversas oportunidades para produtos com baixo teor de carboidratos e alto teor de proteínas, por exemplo.

Entre os potenciais clientes para alimentos veganos, existem níveis que se diferenciam conforme a intenção, assim como pelo motivo da escolha alimentar. Há, por exemplo, quem se interesse apenas pelos benefícios à saúde, outros, apenas pelo sabor. Esse quesito deve ser considerado quando novos produtos são desenvolvidos.

De maneira simultânea, o cenário on-line apresenta possibilidades que ainda são pouco exploradas, como a obtenção de dados para o entendimento das expectativas dos consumidores na tentativa de embasar o desenvolvimento de novos produtos veganos.

Fato é que em um mercado multibilionário como o de alimentos veganos, há uma necessidade crescente de dedicar uma visão mais aprofundada sobre as expectativas dos consumidores como uma forma de retroalimentar a demanda emergente.

Fonte: Vegan Business

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui