Upfield, uma das principais autoridades em nutrição à base de plantas, investe € 50 milhões em centro de pesquisas e inovação em alimentos plant based localizado em Wageningen, na Holanda.

O local, reconhecido como “Vale do Silício” dos alimentos, também abriga a The Wageningen University & Research (WUR) e tem como protagonista da história a Upfield, uma empresa que nasceu de uma divisão da Unilever e ganhou esse nome ao ser adquirida pela Kohlberg Kravis Roberts, KKR & Co. Inc., companhia private equity americana. A KKR conta com um amplo portfólio de mais de 100 marcas que incluem margarinas, como as da marca Becel, e queijos.

Atualmente, a companhia é considerada a maior produtora de margarinas do mundo, detendo cerca de 27% de participação global no segmento e com operação em mais de 95 países. A nova adição ao portfólio da Upfield é a Arivia, um fabricante de base vegetal que produz queijo vegano da marca Violife, anteriormente adquirido pela empresa por cerca de 500 milhões de euros.

Centro de inovação plant based

O novo Upfield Food Science Center foi anunciado com previsão de inauguração até o final de 2021. É esperado que esse centro de inovação plant based traga à companhia o acesso a equipamento e tecnologias de última geração, possibilitando uma rede de criação de novos produtos.

A empresa comunicou que o foco do centro será concentrado em três áreas de grande sensibilidade dentro da produção: embalagens sustentáveis, perfil de sabor e nutrição.

Certamente, deixar para trás as embalagens de plástico pode ser um dos principais avanços para a indústria plant based, com ganhos importantes para o meio ambiente e também para seus lucros. A poluição por plástico é um dos principais problemas ambientais. É estimado que, em 2025, o oceano contenha uma tonelada de plástico para cada três toneladas de peixes e, em 2050, mais plástico do que peixes.

A Upfield anunciou, ainda, que fará rotulagem de carbono nas embalagens para 100 milhões de seus produtos vegetais até o final de 2021. O objetivo é contribuir para que os consumidores tenham mais informações sobre o impacto ambiental e os alimentos que consomem.

Considerando os quesitos sabor e nutrição, a empresa considera aperfeiçoamentos fundamentais para expandir a indústria plant based, por considerar que os consumidores do novo milênio esperam alimentos que sejam, ao mesmo tempo, saborosos, nutritivos e sustentáveis.

A nutrição no “Vale do Silício”

Se um lugar poderia ser ideal para a implementação do centro de inovação plant based, certamente seria o “Vale do Silício” da alimentação, que possui um ecossistema único e liderado pela indústria na promoção da criação de produtos mais saudáveis e saborosos, através de métodos sustentáveis. Além disso, a WUR, localizada nas proximidades, se classifica como uma das principais universidades do mundo em pesquisa de alimentos veganos, conforme o Good Food Institute.

O objetivo desse conglomerado é fazer a conexão entre empresas de alimentação com conhecimento relevante para os setores privado e público. Ao passo em que o ambiente é favorável à colaboração tecnológica, assim como à formação de alianças de negócios e parcerias de marketing.

Um berço para a tecnologia plant based

A Upfield, porém, não é a única grande empresa a marcar presença em Wageningen. A Unilever, outra gigante do setor alimentício, anunciou a construção de um centro de inovação de 85 milhões de euros. A instalação será utilizada para acelerar a tecnologia e inovação de alimentos alternativos baseados em plantas.

Desenvolvimento e inovação não são exclusivos de grandes matrizes, mas marcas de menor porte também desenvolvem novos métodos de fabricar produtos à base de plantas, muitas vezes com ingredientes inesperados. É um exemplo da Fora Foods, uma startup do Brooklyn que produz manteiga vegana de aquafaba.

A empresa atraiu, no final de 2018, um investimento de 1,4 milhão de dólares de fundos de capital de risco vegan da Stray Dog Capital e da Blue Horizon, esse último, um dos maiores investidores na área de alimentos plant based.

Por fim, o desenvolvimento de mais um centro de inovação plant based no Vale do Silício dos alimentos, aponta a importância e o crescimento da inovação dos alimentos à base de plantas e como estão na pauta das grandes empresas da indústria alimentícia.

Fonte: Vegan Business

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui