Indo ao encontro da tendência em busca de uma alimentação mais saudável, empresários criam restaurante, serviço de delivery e armazém de comida orgânica a preços acessíveis na região periférica de São Paulo.

Cada vez mais pessoas buscam refeições saudáveis e, sempre que podem, buscam consumir alimentos orgânicos, dando preferência para ingredientes locais, de pequenos produtores. Na periferia de São Paulo essa demanda virou uma oportunidade de negócios para os moradores da região.

Áreas que podem ser classificadas como “pântanos alimentares”, um conceito norte-americano que passou a ser estudado pela pesquisadora Ana Clara Duran, da Universidade Estadual de Campinas na área de políticas públicas de alimentação e nutrição. O termo é utilizado para designar locais em que há alta ocorrência de negócios que comercializam alimentos ultraprocessados, como macarrão instantâneo e congelados.

No bairro do Campo Limpo, extremo sul de São Paulo, o produtor cultural Thiago Vinicius da Silva, abriu o Armazém Organicamente, que fica em uma região em que há dez farmácias e nenhum sacolão. O segredo do sucesso do negócio é manter os preços competitivos e a estratégia de viabilização do armazém foi a compra direto dos produtores, interceptando a rota de alimentos orgânicos que sai de Parelheiros em direção a bairros como Vila Madalena, zona nobre da cidade.

Como os produtores entregam diretamente no armazém, os custos de intermediários são reduzidos e os preços ao consumidor final são mais atrativos. Para expandir o negócio, Silva estuda a abertura do restaurante Cozinha Criativa Solano Trindade, que ocupará o mesmo espaço e terá cardápio elaborado a partir dos ingredientes do armazém.

Já no bairro do Jardim São Luís, em M’Boi Mirim, foi criado o delivery de orgânicos Enjoy, que segue a mesma premissa. Criado por Joyce Izauri e Robert José Placides, o serviço conta com cerca de 50 produtos, dentre eles ovos, linhaça e feijão, que são retirados diretamente dos produtores. Simone Mendes, por sua vez, é dona da Nutrir-Si, que prepara comida congelada saudável na região do Jardim Irene, próximo ao Capão Redondo. A Nutrir-Si produz 16 tipos de marmita, incluindo opções veganas.

Além do impacto social e a possibilidade de ajudar na conscientização alimentar da população periférica, esse tipo de negócio também motiva pequenos empresários movidos pela possibilidade de mudança. Lançar um olhar inclusivo para as regiões periféricas é necessário e precioso para entender as riquezas produzidas e que circulam nestes locais, inclusive nutricionais.

Fonte: Folha de S. Paulo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui