“37% dos gases do efeito estufa emitidos pelo homem provêm da produção mundial de alimentos”. IPCC

 

“O desperdício de alimentos é responsável por entre 8% a 10% de todas as emissões de gases provocadas pelo ser humano”, afirma o último relatório especial sobre mudança climática e terra do IPCC (painel internacional de especialistas que assessoram a ONU).

A aceleração das previsões ambientais dos especialistas envolve um chamado de ação para uma urgente transformação do sistema vigente. “Agir agora pode evitar ou reduzir os riscos e prejuízos e gerar benefícios para a sociedade”, declara o relatório.

Em tempos de turbulência, com estatísticas alarmantes, será que existe alguma solução plausível? Uma luz de esperança?

A Aliança Global para o futuro da Alimentação (Global Alliance for the future of food), é um agente ativo de contribuição para este objetivo. Em seu projeto “Beacons of Hope”, em colaboração com outras instituições, buscam aportar soluções e avançar na conversa sobre como a comunidade global pode acelerar o sistema de transformação alimentar. Os 21 “Faróis de esperança”apresentados, contêm exemplos de iniciativas que estão dando certo em diversas partes do mundo, refletem o trabalho de diferentes setores, sobre variadas dimensões dos sistemas de alimentação e buscam uma abordagem holística. Dessa forma, constituem modelos de inspiração e evidências de que a transformação coletiva almejada é possível. 


Nas palavras de Ruth Richardson, diretor executivo da Aliança: “Nosso sistema atual de alimentação é responsável por muitos dos problemas ambientais do mundo, mas também é a fonte das soluções que precisamos. Está agora em nossas mãos, como comunidade global, reconhecer que as transformações que precisamos já estão acontecendo, e canalizar nossas energias para acelerar estes processos”.


A Aliança Global para o futuro da Alimentação cita alguns dos patrões foram identificados nas experiências de sucesso, observados desde o começo e mantidos ao longo de todo o processo de transformação:

  • Promover abordagens e princípios agroecológicos
  • Co-criação de conhecimento, troca e disseminação de experiências
  • Desenvolvimentos de modelos cooperativos de apropriação
  • Ênfase em ideias de economia circular e solidária
  • Reforçar a importância de dietas sustentáveis adaptadas à cultura e local
  • Identificar novos mecanismos de mercado
  • Adotar novas métricas e,
  • Engajamento no desenvolvimento de novas políticas.

“Estes patrões estão no coração da transformação de sistemas de alimentação, e representam características importantes e qualidades do futuro da alimentação”. Aliança Global


Para saber mais sobre o projeto, visite: www.foodsystemstransformations.org

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui